quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Escrevinhador

Vim de muito longe, mas escrevinhei muitas linhas até chegar aqui:
Vi a seca no sertão, vi o meu povo angustiado por fazer mais de meses que não chovia cá...
Porem o meu povo é persistente!
Corta e põe a palma para o gado sedento e faminto, as ovelhinhas eram soltas na caatinga, contudo o caboclo espia a sua lavoura e fitando o céu, pede pra Jesus o salvador a ajuda esperada.
E ele brada qual canta uma toada de louvor!
 Louvado seja o nosso senhor Jesus cristo junto a Deus nosso pai!
Que possa vir água do céu para o meu povo sofrido...
Pois imploro!
O sertão precisa de alegria e a alegria só vem com chuva...
Quero ver minha terra florida;
O meu gado robusto e as ovelhinhas bonitas.
A belezura da minha terra se retrata no traçado do olhar do caboclo sertanejo que de preguiçoso não tem nada.
Ele anseia orgulhosamente ver os seus filhos de barriga cheia, notar fartura na sua mesa!
E logo as preces do caboclo são atendidas, de longe se faz as nuvens negras, é cheiro de terra molhada, porque não?
É cheiro de chuva!
As primeiras gotas tocam o chão e logo a terra chupa...
O aroma no ar, o aroma de chuva!
O caboclo sai de casa, ajoelha-se sobre o terreiro e abre os braços; igual o cristo redentor. Contudo suas lágrimas se misturam com os chuviscos e o coração desfecha com as trovoadas...
Ele grita de alegria, chamando a sua mulher e o filhinho, abraça-os e lhes falam...
Olhem o céu, mas que boniteza, vamos pegar os baldes e encher, porque essa fonte é benção!
Agradeçamos sempre, pois a chuva veio e ninguém aqui precisou partir...
Esse é o nosso retrato falado e mostrado por um escrevinhador qualquer.