segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Asneira humana



Observo pela retina dos teus olhos o quão vazio e sem significado a sua forma de conduta está.
Mas, não te vi com os meus olhos! Contudo. Com olhares dos meus sentimentos, observei o teu desatino solitário e egoísta, que vive entre o dia e a noite sem utilidade na inércia e assim vai habitar dentro do mundo criado por ti e onde os seres mágicos vivem ao seu redor fazendo companhia no espelho...  Quantos olhares para nunca se satisfazer? De tal forma que vai vivendo igual a Narciso que morreu mergulhado num mundo de vaidades, e assim vai existir sem doar um pouquinho de ti para quem precisa, fica a governar um orbe que ninguém pode tocar. Porque enxotas com a tua estupidez, e isto se chama asneira humana, onde só o teu bom senso vale, a tua palavra, a tua forma de ver, o teu discernimento e assim transcorre, enrolando-te nas entranhas da tua hipocrisia, não maltrata as pessoas que te circundam, visto que, delas podes tirar grandes exemplos de inteligência, educação e a tal fraternidade...



















By Amandio Sales