sábado, 21 de janeiro de 2012

Vento

Recorro à serenidade onde a brisa assobia e as suas mãos tocam o meu semblante sinto uma leve brisa nos meus cabelos e o vento que sopra trazendo um alivio ao meu corpo exausto.
Isso é um contato majestoso que adentra a pele e em fim posto a alma, são as mãos de Deus em ação no meu espírito imperfeito trazendo-o a perfeição, as mãos do criador dando os ajustes primordiais.
Vem a chuva e eu ainda em silêncio, arrebatado com tanta energia, percebi que é infinita, as pessoas não a entendem e nem sequer sabem o quanto faz bem o silêncio, esquecer as horas os dias, nada me aborrece agora, porque o meu sossego é intenso, repasso e aspiro tudo no surdir do meu dia-a-dia e isto vem das minhas existências vividas de meu legado, um dia vou romper a minha serenidade e tudo será elucidado porque assim será e agora posso prosseguir em passos brandos ou de acordo com as açoitadas de meu coração no qual só eu posso ouvir os golpes que não param.
Concluo a confabulação com uma citação:
Deus é perfeição, ele adentra em mim e de ti trazendo-nos a paz e um ministério específico...