sexta-feira, 17 de junho de 2011

Hoje

Hoje, preciso caminhar e ir para algum lugar, que traga-me a calma!
Quero e preciso de um cigarro, para pisar, sapatear e dançar nele e não fuma lo, por mais que eu tenha vontade! 
E o sapato sujo do cigarro, descalçarei e dai caminharei descalço! 
Hoje, verei meus passos de encontro a estrada que havia deixado.
Caminharei em frente, se retroceder for preciso; retrocederei! 
Mas não deixarei de ouvir o sussurro que vem de dentro de mim...
Sei que sussurro poderia ser ouvido, porque não ao invés?
GRITAR o brado da alma!
Falar sobre o sussurro da alma, gritada em aspirações perplexas!
São os anseios perdidos na solidão...
Passos dados no escuro, sim! 
Com os pés calejados e descalços; verei-me em fim como sou de fronte ao espelho, é o encontro da alma com a luz, aquela que aquece e deixa a  o espírito mais tenro...