sexta-feira, 22 de abril de 2011

O guri e o lixão

Pobre guri no meio do lixão,
catando papelão e garrafinhas pet.
Correria,
corre aqui e corre ali.
Lá vai ele enchendo o saco.
Pronto, acabou.
Ganhou dez cruzados.
Lá vai, contente pra casa,
chegando todo prosa
com o seu ordenado.
Fala pro pai...
Papai, papai!
Está aqui o dinheiro!
Vamos comer?
E o pai mau podia levantar
por causa das pernas que não o aguentam mais,
olhar meio triste,
disfarçado com um sorriso.
Abraça o filho...
Vamos sim!
Vai a bodega de seu Joaquim.
E compre alguns pãozinhos, para comer-mos...
O guri foi e trouxe pão e morta-dela, a festa ta feita.